Interatividade

Notícias
FACILIDADE E você
Imagem da notícia

29/05/2018 “A ALEGRIA, FILHA DE DEUS” - Artigo do Pe. João Medeiros Filho

A alegria desperta em nós um sabor do Divino e, mesmo efêmera, deixa marcas e oferece novas possibilidades ao cotidiano. Atualmente, passa-se por dias difíceis, tristes e vexatórios. Hoje, é comum encontrar gente com o rosto acabrunhado nos shoppings, escritórios, consultórios e mesmo dentro de suas casas. No convívio social, enfrentam-se problemas, que desafiam e exigem maior agilidade, perspicácia e sabedoria para solucioná-los. Há sinais de morte ao redor de todos. Cresce o número daqueles que são abandonados e desprotegidos, perambulando pelas ruas das cidades. Também aumenta a estatística dos desempregados, vítimas de malversadoras políticas de governos e que enfrentam provavelmente o terrível drama da fome. Muitos são os discriminados e violentados por causa de sua raça, origem e condição social. E como se não bastasse, certas pessoas são alijadas, em razão de sua opção religiosa, política, ideológica e mesmo familiar. O radicalismo, a intransigência e o sectarismo estão se tornando regras gerais na sociedade brasileira. Seres humanos tombam frequentemente mortos até diante de sua família, vítimas de uma guerra que não poupa inocentes e indefesos. Um olhar mais atento para a realidade atual tende a mostrar quão corrompidos se tornaram tantos e imersos estão num processo deletério de desumanização. Infelizmente, tornam-se cada vez mais raros os gestos concretos de bondade, acolhimento, humanismo e fraternidade. Não repercutem no mesmo ritmo como os de violência, que rondam e ameaçam os cidadãos. Diante da realidade atual cabe perguntar: há lugar ainda para os alegres e de mente sã?

Vinícius de Moraes cantou em “Samba da Bênção” a primazia da alegria sobre a tristeza: “É melhor ser alegre que ser triste. A alegria é a melhor coisa que existe. É assim como a luz no coração...” E um coração entristecido, entregue à dor e às forças do mal, não pulsa com tanto vigor. Por isso, já vale a pena cultivar a alegria, que em si mesma não representa necessariamente ausência de sofrimentos. Ela revigora a alma, tem a capacidade de neutralizar o negativismo e colocar o espírito em contato com o que há além dos acontecimentos.

Lembremo-nos das palavras de Santo Agostinho, quando se dirigia aos fiéis de Hipona: “A alegria é filha predileta de Deus e pode salvar da morte”. Para a teologia cristã, é dom do Pai ao mundo, prognóstico da salvação que Ele sempre oferece à humanidade. E a salvação se dá num movimento pascal, na passagem da morte para a vida que o Senhor oferece. Compreende-se, assim, porque o Papa Francisco insiste na “Alegria do Evangelho” (“Evangelii Guadium”). Os cristãos sabem que o júbilo experimentado nos pequenos acontecimentos do dia a dia antecipa aquilo que Deus oferece: um Reino no qual “ninguém mais vai sofrer, ninguém mais vai chorar, ninguém mais vai ficar triste”, reza-se na Prece Eucarística XI (própria para a missa com crianças), inspirada no Apocalipse: “E Deus enxugará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais pranto, nem clamor, nem dor” (Ap 21, 4). A promessa é a de que o sofrimento e a tristeza terão seu fim, quanto mais cedo se consolide o Reino de Deus, que Cristo pregou. É precisamente isso que deve motivar os momentos alegres, ao longo da existência terrena.

E como a alegria dá brilho à vida, torna-se possível distingui-la da exaltação eufórica, na qual muita gente manifesta uma falsa felicidade e uma ilusória sensação de bem-estar. Nos dias de carnaval, muitos põem o bloco na rua com o coração contristado, aguardando a quarta-feira para retornar a uma vida acinzentada. Deste modo, torna-se difícil ser verdadeiramente feliz. Por isso, é preciso fazer brotar no fundo de nosso ser o ânimo e a coragem, mesmo no agora sofrido viver diário. Nas pessoas risonhas Deus também se revela. Quando os dias duros sobrevierem com suas tiranias lembrem-se de sorrir. “Sorria, embora o seu coração esteja doendo... Ilumine seu rosto com a alegria...”, evoca Charles Chaplin em sua magistral canção “Smile”. Oxalá as fantasias e os sonhos de agora não sejam enterrados. É importante lutar pela alegria, réstia do Eterno e aceno do Infinito!

Pe. João Medeiros Filho

Últimas notícias

08/10/2018 CDS inaugura sua Usina Fotovoltaica (usina de Energia Solar), neste dia 10. O Colégio Diocesano Seridoense tem a alegria de anunciar para toda a comunidade seridoense a inauguração de sua Usina...

29/09/2018 CDS apresenta: um novo conceito de Educação Infantil. Nesta segunda-feira, 1º de outubro, o CDS abre as portas para receber novos alunos para um período de adaptação. Pensando...

14/09/2018 Gabaritos, resultado do testão e entrega de boletins. O Colégio Diocesano informa que os gabaritos do Testão do Fundamental II e 1ª e 2ª séries do Ensino Médio, bem...

30/08/2018 2º Ano Ruth Rocha recebe livros da própria escritora. Como todos já sabem, as turmas de 1º ao 5º ano aqui do CDS homenageiam os grandes escritores da Literatura brasileira. A Professora...

29/08/2018 Hoje tem mais uma edição Projeto: "A música, o sorriso e a poesia". E hoje, dia 29 de agosto, teremos a terceira edicação do Projeto: A Música, o Sorriso e a Poesia,  que terá como...

Todas as notícias

Informe o número da sua matrícula para receber as instruções de nova senha por e-mail.


colégio diocesano seridoense

Praça Dom José Delgado, S/N, Bairro Paraíba
CEP: 59.300-000 - Caicó/RN - Tel. (84) 3421-1635 / 3421-1636 - E-mail: cdscaico@cdscaico.com.br.